View original document

The full text on this page is automatically extracted from the file linked above and may contain errors and inconsistencies.

Search

AMERICAS CENTER

2013 Americas Center Annual Review
English

Español

Português

Mensagem do Diretor Stephen Kay
O Objetivo do Centro
Destaques
Estrutura

A

A

A

A

Search

A

A

AMERICAS CENTER

Mensagem do Diretor do Centro das Américas Stephen Kay

O FED de Atlanta tem vínculos com as Américas há muito tempo. Em 2005, para assegurar que a equipe do FED trabalhasse
junto, efetivamente, e se comunicasse de forma eficiente com todo nosso público, criamos o Centro das Américas. Desde
então, o Centro das Américas tem sido um hub vibrante de cooperação entre os integrantes da equipe do FED de Atlanta que
colaboraram extensivamente com os parceiros externos do Banco. Em 2013, o Centro das Américas continuou a demonstrar
liderança de pensamento nas principais questões políticas e regulatórias de importância direta para a missão do Banco.
Exemplos desses esforços incluem:
• Uma conferência em Miami sobre "Os Desafios e as Oportunidades dos Bancos em uma Era de Crise Global:
Perspectivas para o Sul da Flórida e América Latina," patrocinado em parceria com a Associaçâo de Banqueiros
Internacionais da Flórida.
• O trabalho da Diretoria de Pagamentos de Varejo (RPO) em apoio à Iniciativa de Pagamentos do Hemisfério Ocidental,
para estabelecer um hub para pagamentos regionais que ligaria muitos sistemas de pagamento dos bancos centrais do hemisfério.
• O Workshop sobre Economia Internacional, patrocinado em parceria com a Stern School of Business da Universidade de Nova York que
apresentou novas pesquisas de economistas de destaque.
• O papel de liderança da Agência de Miami no lançamento bilíngue da nova nota de US$100.
Além dessas e outras conquistas destacadas neste Relatório Anual, os vínculos entre o Sexto Distrito do Federal Reserve e a América Latina
prosperaram, e a abrangência das atividades do Centro das Américas aumentou. Nas atividades do dia a dia, os colegas do FED de Atlanta
continuaram a colaborar uns com os outros para melhorar seus conhecimentos sobre a região. Em fiscalização bancária, nossos especialistas
multilingues prestaram assistência técnica no exterior. A equipe da Unidade de Análise de Risco País e de Instituições Bancárias Estrangeiras (FBO)
aprimorou sua análise sobre os princípios de risco do setor bancário nacional e regional e suas ligações com os acontecimentos globais. As Operações
de Caixa do FED de Atlanta na Agência de Miami, que atende 38 países na América Latina e no Caribe, superou o desafio de fornecer notas de dólar a
instituições estrangeiras.
Em 2013, o Centro das Américas trabalhou junto com o FED de Atlanta, o Sistema do Federal Reserve e partes interessadas dos setores público e
privado para proporcionar liderança nas principais questões de fiscalização, financeiras e econômicas. Em 2014, ao ingressarmos no nosso 10° ano,
continuaremos a aperfeiçoar esses alicerces.
Conteneúdo :: Página próxima

Search

A

A

A

AMERICAS CENTER

O Objetivo do Centro

O Centro das Américas, inaugurado em 2005, é uma iniciativa conjunta da Diretoria de
Nossa missão: Concretizar uma liderança para o cumprimento das
responsabilidades do Banco nas principais questões de fiscalização,
Pagamentos de Varejo do Sistema do Federal Reserve—baseada em Atlanta e das
financeiras e econômicas relacionadas às Américas, promovendo
Divisões de Fiscalização e Regulamentação, Pesquisa e Serviços Administrativos e
Operações do FED de Atlanta. O Centro provê uma estrutura para a colaboração entre uma eficaz colaboração e a comunicação entre as diversas funções
do Banco, do Sistema e das partes interessadas dos setores público
os funcionários do Banco, cujas responsabilidades se relacionam às Américas e à
e privado.
Espanha. Essa colaboração permite, ao Banco, aproveitar seu potencial e integrar seus
recursos de forma mais eficiente para atender o público interno e externo por meio de uma ampla variedade de iniciativas. Essas iniciativas incluem a
realização de conferências sobre diretrizes, análises das principais tendências bancárias e econômicas regionais na área, participação em programas
de intercâmbio, assistência técnica, maior contato com o público e atividades educativas.
Conteneúdo :: Página anterior | Página próxima

Search

A

A

A

AMERICAS CENTER

Destaques 2013

Operaçóes de caixa do Sexto Distrito
A Agência de Miami do FED de Atlanta atua como um dos dois principais escritórios do FED que
ajudam a satisfazer a demanda global por notas e moedas de dólar dos Estados Unidos, realizando
pagamentos e aceitando depósitos de instituiçóes financeiras, incluindo vários bancos centrais de
toda a América Latina e do Caribe. Em 2013, o escritório de Miami prestou serviços de caixa a 38
países na região, incluindo as naçóes dolarizadas do Panamá, Equador e El Salvador. O domínio de
serviços de caixa internacional abrange metade da atividade de caixa total da Agência de Miami. A
Agência de Miami trabalha em estreito contato com os parceiros do Sistema no Federal Reserve
Bank de Nova York e com o Board of Governors (a Diretoria do FED) e, regularmente, recebe
representantes de instituiçóes financeiras globais, bem como de bancos centrais.
Liderança no apoio a inovaçóes em pagamentos internacionais
A Diretoria de Pagamentos de Varejo (RPO) continuou a desempenhar papel de liderança no apoio
aos pagamentos internacionais e inovaçóes nas Américas e em todo o mundo. Atualmente os
serviços FedGlobal ACH do Federal Reserve abrangem 35 países incluindo 13 nas Américas e, no
ano passado, continuaram a põr em prática iniciativas para aumentar o alcance de seu corredor e as
ofertas de serviços internacionais. Segue abaixo um panorama geral das principais iniciativas
perseguidas em 2013.
A Seção 1073 da Lei Dodd-Frank implementada em maio de 2013 pretendeu, em parte, aumentar a
transparência nas remessas internacionais. Muitas instituiçóes financeiras dos EUA manifestaram
preocupação acerca dos desafios para o cumprimento da nova regulamentação e sobre a possível
interrupção do serviço internacional. Para ajudar a minimizar as barreiras para clientes de serviços financeiros do Federal Reserve, a RPO desenvolveu
ferramentas para ajudá-los a facilitar o cumprimento das exigências previstas na regulamentação.
Em 2013, a RPO patrocinou uma série de esforços de
longo alcance para aumentar a conscientização e
promover a adoção de seu serviço FedGlobal ACH
Directo a México. Por exemplo, a RPO ajudou a
desenvolver parcerias entre o Banco Central do México,
o Instituto para Mexicanos no Exterior, a NACHA
(Asociación Nacional de la Cámara de Compensación
Automatizada) e as associaçóes regionais de
pagamentos dos Estados Unidos. A RPO também
colaborou com o Ministro de Relaçóes Exteriores do
México no desenvolvimento de oportunidades bancárias
para comunidades com baixo acesso a serviços
bancários.

Lançamento da Nova Nota de 100 Dólares
em Miami
Em 8 de outubro de 2013, a Agência de Miami
organizou uma nova conferência anunciando o
lançamento oficial da nova nota de 100 dólares.
Paul Graham e Sandy Juárez descreveram os
atributos de segurança da nova nota. O evento
contou com cobertura da imprensa local e nacional,
incluindo Associated Press, Bloomberg, the Miami
Herald, Fox, CBS, ABC e o the South Florida
Business Journal. Dos cinco escritórios do Federal
Reserve que organizaram eventos locais de mídia,
a Agência de Miami era a única que tinha cobertura
de mídia em espanhol.

Em novembro de 2013, a RPO publicou uma RFP (edital de licitação) em apoio a sua estratégia de
expansão do alcance de seu corredor e oferta de serviços. A RPF foi disponibilizada a 80
recebedores, incluindo bancos centrais, instituiçóes financeiras, prestadores de serviços e entidades
de compensação e liquidação. A colaboração continuou em 2013 com o Centro de Estudos
Monetários Latinoamericanos (ou CEMLA) sobre viabilidade de interconexão por meio do FedGlobal
ACH para uma série de bancos centrais da América Latina. Reunióes presenciais e webinars
educacionais foram organizados para discutir sobre panoramas do serviço e oportunidades de
conexão.
Desenvolvimento das melhores práticas de fiscalização eficaz consolidada nacional e regional
Em 2013, a equipe da Unidade de Análise de Risco País e de Instituiçóes Bancárias Estrangeiras/Fiscalização Internacional (FBO) do FED de Atlanta
visitou a Espanha, o Brasil e a Colõmbia. Essas visitas continuam a dar suporte às principais responsabilidades de Fiscalização Internacional nos
termos do Programa de Fiscalização dos Bancos no Exterior e desenvolver orientação sobre a Lei Dodd-Frank (DFA), incluindo um Planejamento de
Recuperação e Resolução. Na Espanha, a equipe de FBO e de fiscalização participou de comitê de fiscalização organizado pelo Banco da Espanha,
com a presença de reguladores do mundo todo. Um dos principais objetivos dos comitês regulatórios é melhorar a comunicação entre os fiscalizadores
anfitrióes dos países onde há presença de bancos globais.
A equipe de Fiscalização Internacional também organizou uma conferência regulatória interagências na Agência de Miami. O objetivo da reunião era
melhorar as comunicaçóes entre os supervisores das diversas agências regulatórias estaduais, federais e estrangeiras. Essas oportunidades de se
reunir com contrapartes regulatórias continuaram a dar apoio à missão do Centro das Américas de construir relaçóes de trabalho sólidas em toda a
região e assim ganhar um conhecimento mais profundo sobre os riscos e as tendências em desenvolvimento.
Em 2013, a área de Fiscalização Internacional deu suporte às iniciativas do Federal Reserve System de assistência técnica no exterior. Os membros da
equipe de fiscalização do FED de Atlanta, representando várias áreas de conhecimento técnico, atuaram como instrutores em programas organizados

por agências regulatórias estrangeiras e organizaçóes multilaterais no México, Equador, Peru, Uruguai, índia, França e Emirados árabes. A equipe
também ensinou equipes de investigação representando várias agências regulatórias em cursos em Washington, D.C, Chicago e São Francisco. Vale
ressaltar, que instrutores do FED de Atlanta participaram pelo 16° ano consecutivo do Curso de Análise e Investigação Bancária realizado em Lima, no
Peru. Esse curso, de uma semana, faz parte de um curso de três meses para estudantes e inspetores bancários de todas as Américas. é organizado
pela Superintendência Bancária Peruana e patrocinado pela Associação de Supervisores de Bancos das Américas localizada na Cidade do México. A
aula, ministrada em espanhol, contou com a presença de estudantes do Peru, Brasil, México, Guatemala, Nicarágua, Honduras, Uruguai, Paraguai,
Equador, El Salvador e Haiti.
Construindo um melhor entendimento sobre as
Estágio de dissertação do Centro das
economias das Américas
Américas
Em novembro e dezembro, o Centro das Américas
Todo ano, o Centro das Américas convida
organizou dois workshops dedicados à economia
candidatos a PhD, que estão escrevendo
internacional. No Workshop de Macro Internacional,
dissertação sobre tópicos da área de economia
patrocinado em parceria com a Universidade de Nova relacionados diretamente com a América Latina e o
Caribe, a se candidatarem para um estágio de
York, economistas apresentaram pesquisas de
dissertação durante o verão. Espera-se que os
vanguarda sobre política monetária, dívida soberana e
estudantes progridam de forma significativa em
empresas na economia aberta. Os destaques incluíram suas dissertaçóes durante seu período no Banco.
os trabalhos intitulados "Dynamics of Firms and Trade in São também obrigados a fazer duas apresentaçóes
General Equilibrium" [Dinàmicas das Empresas e do
sobre sua pesquisa, além de permanecer
disponíveis para consultas de nossa equipe. Em
Comércio no Equilíbrio Geral]—de Robert Deckle,
Hyeok Jeong e Nobuhiro Kiyotaki e "Global Imbalances 2013, álvaro Pedraza da Universidade de Maryland
foi escolhido. O título da dissertação de álvaro é
and Structural Change in the United States"
"Interaçóes Estratégicas na Gestão do Dinheiro:
[Desequilíbrios Globais e Mudança Estrutural nos
Teoria e Comprovação."
Estados Unidos]—de Lee Ohanian, Paulina RestrepoEchavarria e Mark L.J. Wright. No workshop sobre Desenvolvimento Econõmico Internacional da
região Sudeste, patrocinado em parceria com a Universidade Estadual da Georgia, os economistas
das universidades regionais apresentaram novas pesquisas sobre uma variedade de tópicos
relacionados a desenvolvimento econõmico. Os economistas do FED de Atlanta, Julie Hotchkiss e
Myriam Quispe-Agnoli apresentaram o trabalho intitulado "The Impact of the Community's Financial
Structure on Firm Survival" [O Impacto da Estrutura Financeira da Comunidade sobre a Sobrevivência
das Empresas]. Os trabalhos de ambas as reunióes estão disponíveis no website do Centro das Américas.
O Centro das Américas fez uma parceria com a Càmara de Comércio Brasil-Estados Unidos da
região Sudeste, o Consulado Brasileiro em Atlanta, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) e o World
Affairs Council de Atlanta para realizar uma reunião sobre "The 2014 Brazilian Economic Outlook:
World Cup and Beyond" [Visão Geral sobre a Economia do Brasil em 2014: Copa do Mundo e
Outros]. O Presidente e CEO do FED de Atlanta, Dennis Lockhart, recebeu os convidados e falou
sobre os vínculos entre o Centro das Américas e o Brasil. O economista da FGV Fernando de
Holanda falou sobre os importantes desafios econõmicos do Brasil em 2014. O Embaixador brasileiro
Hermano Ribeiro falou sobre a política de relaçóes exteriores do Brasil. O professor da Georgia Tech
Kirk Bowman avaliou a preparação do Brasil para a Copa do Mundo. A reunião apresentou uma
franca discussão acerca dos atuais desafios políticos e econõmicos do Brasil.
Em outubro, Lockhart entrevistou, no Commerce Club de Atlanta, o Embaixador chileno Felipe
Bulnes, em um almoço-reunião patrocinado pelo World Affairs Council. As questóes de Dennis
focaram os desafios econõmicos, relaçóes bilaterais e política interna do Chile.
Ao longo de todo o ano, economistas do FED de Atlanta desenvolveram novas pesquisas sobre uma
variedade de tópicos relacionados às Américas, incluindo imigração, remessas e pensóes. QuispeAgnoli e Hotchkiss publicaram dois novos artigos sobre imigração, incluindo "Does Employing
Undocumented Workers Give Firms a Competitive Advantage?" [O Fato de Utilizar Trabalhadores
Não Registrados Representa uma Vantagem Competitiva para as Empresas?] (com David J. Brown)
no The Journal of Regional Science e "The Expected Impact of State Immigration Legislation on Labor
Market Outcomes" [O Resultado do Impacto Previsto da Legislação Estadual sobre Imigração no
Mercado de Trabalho] no The Journal of Policy Analysis and Management. Eles também apresentaram "Threatening to Defect: The Impact of
Undocumented Workers on Support for the Democrats" [Ameaçando Falhar: O Impacto dos Trabalhadores Não Registrados em Apoio aos Democratas]
(com Nicole Baerg) nas Reunióes da Associação Econõmica da Região Sudeste realizadas em novembro de 2013 em Tampa, Flórida.
O artigo de Federico Mandelman intitulado "Monetary and Exchange Rate Policy under Remittance Fluctuations" [Política Monetária e Cambial nas
Flutuaçóes das Remessas] foi publicado no Journal of Development Economics. Federico também escreveu dois trabalhos do FED de Atlanta: "Labor
Market Polarization and International Macroeconomic Dynamics" [Polarização do Mercado de Trabalho e Dinàmica Macroeconõmica Internacional] e
"Flexible Prices, Labor Market Frictions, and the Response of Employment to Technology Shocks" [Preços Flexíveis, Atritos no Mercado de Trabalho e a
Reação do Emprego aos Choques Tecnológicos] (com Francesco Zanetti). Stephen Kay foi co-autor do capítulo sobre o Brasil no Social Security
Coverage Extension in the BRICS [Extensão da Cobertura da Previdência Social nos BRICS] publicado pela Associação Internacional de Previdência
Social.
O Centro das Américas e a Florida International Bankers Association (FIBA) organizaram um programa de longo alcance voltado aos bancos
internacionais e estrangeiros localizados no mercado de Miami. O fórum "Banking Challenges and Opportunities in an Era of Global Crisis: Prospects for
South Florida and Latin America" [Desafios e Oportunidades dos Bancos em uma Era de Crise Global: Perspectivas para o Sul da Flórida e para a
América Latina] contou com apresentaçóes de especialistas do FED de Atlanta, banqueiros privados e autoridades regulatórias. Os painéis examinaram
as tendências da economia internacional do Sul da Flórida (nos setores imobiliário, comércio internacional e gestão de patrimõnio), acontecimentos na
arena de pagamentos internacionais e a evolução da orientação regulatória para Europa, América Latina e Estados Unidos.
O Centro das Américas busca alcançar o público de todo o hemisfério por meio de suas muitas traduçóes do conteúdo original do FED de Atlanta que
consta de seu site na internet. Aliás, todo ano os artigos mais vistos da revista EconSouth são aqueles traduzidos para o espanhol e português. O artigo
mais popular, por vários anos seguidos, é a tradução para o português de um artigo sobre o crescimento econõmico da China. O site do Centro das

Américas também contém traduçóes de documentos de fiscalização e blog posts sobre pagamentos
internacionais. Em 2013, foram adicionados novos artigos sobre o setor industrial mexicano e a dívida
soberana européia.
Conteneúdo :: Página anterior | Página próxima

Search

A

A

A

AMERICAS CENTER

Estrutura

Alguns dos integrantes da equipe do Centro das Américas (da esquerda para direita): Juan Sanchez, George Holguin, Laurel Graefe, James McKee,
Stephen Kay, Paul Graham, Carolyn Healy, Myriam Quispe-Agnoli, Todd Greene.
Conteneúdo :: Página anterior

Comitê de Orientação

Coordenação

Joan Buchanan
Vice-Presidente
Diretoria de Inclusão de Minorias e da Mulher
Nell Campbell-Drake
Vice-Presidente
Diretoria de Pagamentos de Varejo
Michael J. Chriszt
Vice-Presidente e Diretor de Informações Públicas
Assuntos Públicos
Todd Greene
Vice-Presidente
Desenvolvimento Econômico e Comunitário
Mary Kepler
Vice-Presidente e Diretora de Risco
Risco e Compliance
Juan Sanchez
Vice-Presidente
Fiscalização Bancária Internacional/de Longo Alcance
Paula Tkac
Vice-President e Economista Sênior
Pesquisa
Molly Willison

Diretor do Centro das Américas

Vice-Presidente Adjunto
Fiscalização Bancária Internacional/Comunidade
Agência de Miami

Search

A

A

A

AMERICAS CENTER

Estrutura

Alguns dos integrantes da equipe do Centro das Américas (da esquerda para direita): Juan Sanchez, George Holguin, Laurel Graefe, James McKee,
Stephen Kay, Paul Graham, Carolyn Healy, Myriam Quispe-Agnoli, Todd Greene.
Conteneúdo :: Página anterior

Comitê de Orientação

Coordenação

Ana Castilla
Diretora de Desenvolvimento Comunitário Regional
Assuntos da Comunidade
Agência de Miami
Laurel Graefe
Especialista em Análise de Política Econômica
Departamento de Pesquisa
Paul Graham
Vice-Presidente Adjunto
Agência de Miami
George Holguin
Gerente de País/ Analista S&aacirc;nior de FBO
Fiscalização Bancária Internacional
Nancy Jaimes
Diretora, Unidade de Análise de Risco País e FBO
Fiscalização Bancária Internacional
Agência de Miami
David Jimenez
Analista de FBO
Fiscalização Bancária Internacional
Agência de Miami
Jorge Jimenez
Diretor de Desenvolvimento de Produto RPO

Diretor do Centro das Américas

FedGlobal ACH
Sandy Juárez
Diretor, Gestão de Projeto
Diretoria de Função de Caixa do Distrito
Serviços Administrativos e Operações
Agência de Nova Orleans
Roxana Maneiro
Gerente de País/Analista Sênior de FBO
Fiscalização Bancária Internacional
Agência de Miami

Search

A

A

A

AMERICAS CENTER

Estrutura

Alguns dos integrantes da equipe do Centro das Américas (da esquerda para direita): Juan Sanchez, George Holguin, Laurel Graefe, James McKee,
Stephen Kay, Paul Graham, Carolyn Healy, Myriam Quispe-Agnoli, Todd Greene.
Conteneúdo :: Página anterior

Comitê de Orientação

Stephen J. Kay
Economista Sênior
Departamento de Pesquisa

Coordenação

Diretor do Centro das Américas